segunda-feira


Diz-me, porquê? Foi por não te ter dado o devido valor na altura certa? Foi por alguma coisa que fiz ou que disse? Eu erro, não sou perfeita e sou humana, mas se me disseres onde errei ainda vou a tempo? Ainda vou a tempo de recuperar o nosso amor, ainda vou a tempo de recuperar o meu trono como rainha do teu coração? Ainda vou a tempo de recuperar os nossos momentos, os nossos abraços, as nossas conversas , tudo o que era nosso e só nosso? Ainda vou a tempo de deixarmos de ser "eu" e "tu" e passar a existir "nós", como antes? Ainda vou a tempo de deixar as merdas que fiz, que fizeste e que fizemos de parte e voltar a ser tudo perfeito, pelo menos aos nossos olhos? Ainda vou a tempo de reconstruir o mundo que tinhamos construído, quando o nosso amor era incondicional? Por favor, eu preciso de respostas, eu quero respostas! Apesar de ser passado, eu lembro-me de tudo o que aconteceu entre nós cada vez que te olho nos olhos, não consigo evitá-lo, é impossível! Mas não posso ganhar esperanças, não por ter talvez orgulho de me apaixonar mais uma vez por ti, mas porque sei que simplesmente não vale a pena. Não por ter medo de sofrer como sofri, mas porque sei que nada vai voltar atrás. Essa ideia, sim, mete-me medo. Medo por saber que nunca mas nunca mais seremos os mesmos um para o outro, que o nosso amor está morto e enterrado e não vai ressuscitar, que tudo o que passámos para ti possa estar esquecido de uma vez por todas; tal como eu nunca fui capaz de fazer, esquecer-te. E o que me mete ainda mais medo é saber que tenho razão, porque os teus olhos dizem-no. Ainda oiço a tua voz na minha mente:

"Eu virei por ti, meu amor."

Virás mesmo?