quinta-feira


Sentei-me. Estava nervosa, ansiosa por aquele dia. Chegou a altura certa. Mas, porém, estava triste. Deixar este lugar onde cresci e vivi toda a minha vida, sem avisar ninguém. Simplesmente... deixar! Mudar-me para outro sítio, começar uma nova vida melhor do que esta. Sim, era esse o meu objectivo: mudar de vida. E esquecer, esquecer tudo o que me incomoda, viver sem preocupações. Todos nós desejamos uma vida assim. E eu apenas ia tentar a minha "sorte", tentar uma vida assim. Suspirei. O que estou para aqui a pensar? Não, isto não é correcto, mas não posso voltar atrás. Bom, agora que penso bem, puder até posso... mas não quero. Tomei esta decisão, vou levá-la até ao fim, custe o que custar. Mas... abandonar tudo o que tenho? Esta simples ideia mete-me medo. Abandonar a minha mãe, o meu pai, o meu irmão, a minha família. Abandonar os meus amigos, os meus inimigos, os meus conhecidos. Abandonar aqueles de que gosto e aqueles que podia gostar mais. Abandonar aqueles que nos viram crescer, que estiverem sempre lá, seja para o bem ou para o mal. Será que vão sentir a minha falta? Espero que sim... Ou melhor, não, não quero que fiquem tristes por me ir embora! Tantas perguntas que me invadem o pensamento neste momento, mas às quais a partir de hoje não terei resposta. Desistir, vou ser fraca e desistir. Assim, sem mais nem menos. Queria tanto puder dizer-lhes que os adoro, que são tudo para mim, que vou sentir saudades mas que não vale a pena chorarem, porque lá no fundo estarei sempre com eles. É tarde demais. Já oiço o comboio a chegar, está próximo. A minha nova vida está prestes a começar, falta pouco tempo. Fechei os olhos, ele está a aproximar-se cada vez mais rápido. Senti os carris a vibrarem, senti a sua força. Vai doer muito? Não sei, mas quando acordar não irei sentir mais dor, disso tinha a certeza. Derramei uma lágrima. Estava confusa, será que devo voltar para casa? Não, é tarde demais, já o oiço a apitar. Em breve, estarei noutro lugar, mais sereno, mais confortável. Em breve, muito em breve.
Sorri e deixe-me levar...




E o comboio atravessou a linha, levando-me até ao meu destino.
Finalmente estou em paz. Finalmente estou no Céu.

Sem comentários: